USAComment.com
Zicutake USA Comment | Busque Artigos



sexta-feira, 28 de abril de 2017

Notícias

Notícias


Greve geral paralisa centro financeiro de São Paulo

Posted: 28 Apr 2017 09:40 AM PDT

A greve geral, que ocorre nesta sexta-feira, chegou também ao coração financeiro da cidade de São Paulo. Agências bancárias das regiões da avenida Paulista e da Faria Lima – dois simbólicos polos financeiros do país – amanheceram fechadas pelo Sindicato dos Bancários de São Paulo.

Pior para quem precisava dos serviços bancários e não sabia que a paralisação atingiria a região. “Eu li sobre a greve geral, mas não achei que chegaria aqui na Paulista. Precisava sacar um volume de dinheiro e vou precisar deixar para terça feira”, disse a aposentada Lourdes Marinho, 67 anos. Ela, contudo, se declarou simpática aos motivos da paralisação – contra as reformas da Previdência e trabalhista.

O Sindicato dos Bancários, ligado a CUT, ainda não tem um balanço sobre a paralisação, mas a reportagem apurou que mais de 20 agências das duas regiões foram fechadas, além de centros administrativos.

“Eles param onde é simbólico, então se você rodar por toda a São Paulo ainda poderá achar agências abertas”, afirmou um funcionário do Bradesco que preferiu não se identificar.

A greve geral acontece nesta sexta-feira em 25 Estados e no DF, deixando ruas vazias e alguns confrontos entre manifestantes e policiais.

(Felipe Cotrim/VEJA.com)" description="Polícia dispersa manifestantes na região do Theatro Municipal no centro de São Paulo - 28/04/2017">(Sergio Moraes/Reuters)" description="Mulher passa por uma faixa escrita 'Greve Geral' durante dia de manifestações contrárias às reformas propostas pelo governo Michel Temer no Rio de Janeiro - 28/04/2017">(Felipe Cotrim/VEJA.com)" description="Polícia dispersa manifestantes na região do Theatro Municipal no centro de São Paulo - 28/04/2017">(Ricardo Matsukawa/VEJA.com)" description="Estudantes fazem ato na Cidade Universitária (USP) durante dia de manifestações contrárias às reformas propostas pelo governo Michel Temer - 28/04/2017">(Ricardo Matsukawa/VEJA.com)" description="Estudantes fazem ato na Cidade Universitária (USP) durante dia de manifestações contrárias às reformas propostas pelo governo Michel Temer - 28/04/2017">(Nacho Doce/Reuters)" description="">(Ricardo Matsukawa/VEJA.com)" description="Estudantes fazem ato na Cidade Universitária (USP) durante dia de manifestações contrárias às reformas propostas pelo governo Michel Temer - 28/04/2017">(Werther Santana/Estadão Conteúdo)" description="Polícia tenta dispersar manifestantes que bloquearam a avenida Ragueb Chohfi, na zona leste da capital paulista - 28/04/2017">(Gabriela Biló/Estadão Conteúdo)" description="Manifestantes bloqueiam a Rua da Consolação, no centro de São Paulo. A polícia dispersou o grupo com bombas de gás lacrimogêneo - 28/04/2017">(Eduardo Knapp/Folhapress)" description="Bombeiros removem barricadas feitas por manifestantes na avenida Ipiranga, no centro de São Paulo, em dia de greve geral promovida por entidades sindicais contra as reformas trabalhista e da Previdência, propostas pelo governo Michel Temer - 28/04/2017">(Eduardo Knapp/Folhapress)" description="Policiais e manifestantes entram em confronto na avenida Ipiranga, durante manifestação no centro de São Paulo - 28/04/2017">(Aldo Carneiro/Futura Press/Folhapress)" description="Protesto complica trânsito na BR-101 Sul, no Jardim São Paulo, no Recife. O ato faz parte do movimento nacional contra as a reforma da Previdência e trabalhista - 28/04/2017">(Nacho Doce/Reuters)" description="Integrante do Movimento dos Trabalhadores Sem-Teto lança um tábua de madeira sobre uma barricada em chamas durante protesto contra as reformas do governo Michel Temer em São Paulo - 28/04/2017">(Felipe Cotrim/VEJA.com)" description="Terminal Parque Dom Pedro II no centro de São Paulo, amanhece vazio durante paralisação de motoristas e cobradores - 28/04/2017">(Felipe Cotrim/VEJA.com)" description="Terminal Parque Dom Pedro II no centro de São Paulo, amanhece vazio durante paralisação de motoristas e cobradores - 28/04/2017">(Felipe Cotrim/VEJA.com)" description="Terminal Parque Dom Pedro II no centro de São Paulo, amanhece vazio durante paralisação de motoristas e cobradores - 28/04/2017">(Reinaldo Canato/VEJA.com)" description="Estacão do Metrô de Itaquera fechada no inicio da manhã durante greve geral organizada por sindicatos e movimentos sociais - 28/04/2017">(Ueslei Marcelino/Reuters)" description="Manifestantes do Movimento dos Trabalhadores Sem Teto (MTST), fazem uma barricada durante protesto contra o presidente Michel Temer em Brasília - 28/04/2017">(Wilton Junior/Estadão Conteúdo)" description="Manifestantes fecham a via de acesso ao Aeroporto Santos Dumont, no Centro do Rio de Janeiro, impedindo a passagem de veículos aos terminais de embarque e desembarque - 28/04/2017">(Jose Lucena/Futura Press/Folhapress)" description="Protesto na Avenida Brasil, em frente a Rodoviária Novo Rio, no Rio de Janeiro (RJ) - 28/04/2017">(Nacho Doce/Reuters)" description="Barricadas bloqueiam trecho da via Dutra durante um protesto contra o presidente Michel Temer - 28/04/2017">(Reinaldo Canato/VEJA.com)" description="Na área externa do terminal Itaquera em São Paulo, passageiros recorrem a vans clandestinas para tentar chegar ao seu destino - 28/04/2017">(Reinaldo Canato/VEJA.com)" description="Na área externa do terminal Itaquera em São Paulo, muitos passageiros recorrem a ônibus de cooperativas e vans clandestinas para tentar chegar ao seu destino - 28/04/2017">(Reinaldo Canato/VEJA.com)" description="Estacão do Metrô de Itaquera fechada no inicio da manhã durante greve geral organizada por sindicatos e movimentos sociais - 28/04/2017">(Ricardo Matsukawa/VEJA.com)" description="Ônibus e vans de cooperativas ficam lotados de passageiros durante greve geral na saída do terminal de ônibus do Jabaquara, na zona sul de São Paulo - 28/04/2017">(Reinaldo Canato/VEJA.com)" description="Estacão do Metrô de Itaquera fechada no inicio da manhã durante greve geral organizada por sindicatos e movimentos sociais - 28/04/2017">(Ricardo Matsukawa/VEJA.com)" description="Ônibus e vans de cooperativas ficam lotados de passageiros durante greve geral na saída do terminal de ônibus do Jabaquara, na zona sul de São Paulo - 28/04/2017">(Reinaldo Canato/VEJA.com)" description="Estacão do Metrô de Itaquera fechada no inicio da manhã durante greve geral organizada por sindicatos e movimentos sociais - 28/04/2017">(Reinaldo Canato/VEJA.com)" description="Na área externa do terminal Itaquera em São Paulo, muitos passageiros recorrem a ônibus de cooperativas e vans clandestinas para tentar chegar ao seu destino - 28/04/2017">(Reinaldo Canato/VEJA.com)" description="No terminal de ônibus de Itaquera, zona leste da capital paulista, a alternativa são vans de cooperativas - 28/04/2017">(Reinaldo Canato/VEJA.com)" description="Na área externa do terminal Itaquera em São Paulo, passageiros recorrem a vans clandestinas para tentar chegar ao seu destino - 28/04/2017">(Ricardo Matsukawa/VEJA.com)" description="Vans clandestinas cobram até cinco reais para transportar passageiros ao metrô Paraíso na saída do terminal Jabaquara na zona sul de São Paulo - 28/04/2017">(Rafaela Lara/VEJA)" description="">(Reinaldo Canato/VEJA.com)" description="Na área externa do terminal Itaquera em São Paulo, muitos passageiros recorrem a ônibus de cooperativas e vans clandestinas para tentar chegar ao seu destino - 28/04/2017">(Ricardo Matsukawa/VEJA.com)" description="Polícia militar reforça a segurança no entorno do Aeroporto de Congonhas em São Paulo durante manifestação de sindicalistas - 28/04/2017">(Ricardo Matsukawa/VEJA.com)" description="Vans clandestinas cobram até cinco reais para transportar passageiros ao metrô Paraíso na saída do terminal Jabaquara na zona sul de São Paulo - 28/04/2017">(Ricardo Matsukawa/VEJA.com)" description="Manifestantes ligados a Força Sindical fazem ato no Aeroporto de Congonhas em São Paulo - 28/04/2017">(Ricardo Matsukawa/VEJA.com)" description="Manifestantes ligados a Força Sindical fazem ato no Aeroporto de Congonhas em São Paulo - 28/04/2017">(Ricardo Matsukawa/VEJA.com)" description="Manifestantes ligados a Força Sindical tentam bloquear o acesso ao Aeroporto de Congonhas em São Paulo - 28/04/2017">(Thais Augusto/VEJA.com)" description="Estação Santo André da CPTM fechada durante paralisação - 28/04/2017">(Reinaldo Canato/VEJA.com)" description="Manifestantes estendem um faixa em frente ao pátio da estação Jabaquara, zona sul de São Paulo - 28/04/2017">

 


Arquivado em:Economia

Cinco momentos para rir em ‘Guardiões da Galáxia Vol. 2’

Posted: 28 Apr 2017 09:32 AM PDT

Perto do deus Thor e do incrível Capitão América, os Guardiões da Galáxia não passam de esquisitões marginalizados. O clima descontraído e atrapalhado da equipe intergalática, em compensação, atrai legiões para o cinema por ser um alívio cômico na programação da Marvel — sempre recheada de ação e conflitos que buscam espelhar, na fantasia, o mundo real. Como seu antecessor, Guardiões da Galáxia Vol. 2, em cartaz no país desde esta quinta-feira, reúne uma ótima trilha sonora e momentos muito, muito divertidos. Confira os cinco melhores:

 

Baby Groot

(Marvel/Divulgação)

Uma versão bebê de Groot renasce dos restos mortais do gigante humanoide, que se sacrificou para salvar a equipe de guardiões. Ingênuo e carismático, o mini-herói protagoniza as cenas mais fofas do segundo filme de Guardiões da Galáxia, ainda que suas falas se resumam à primitiva frase “eu sou Groot”. O apelo de Baby Groot amolece o coração até dos vilões do filme, que poupam sua vida porque ele é “muito fofinho para ser morto”.

 

Peter Quill, o galã-feio 

(Marvel/Divulgação)

O longínquo planeta de Sovereign é habitado por uma raça humanoide geneticamente perfeita, onde todos os cidadãos são concebidos em laboratório — quase como um Admirável Mundo Novo. Admirado com a beleza da sacerdotisa Ayesha, Peter Quill se oferece para ensiná-la a concepção de bebês dos humanos, alegando fins científicos.

 

A fofoqueira Mantis

(Marvel/Divulgação)

Nova na franquia, Mantis é capaz de ler e induzir sentimentos nos que estão ao seu redor. Em certo momento, a garota “scaneia” Peter Quill (Chris Pratt) e, como uma boa candinha, conta para todos que ele é apaixonado por Gamora (Zoe Saldana), sua parceira de equipe.

 

Os flertes de Drax

(Marvel/Divulgação)

Drax perdeu a mulher e filha, e estava na cadeia até encontrar os Guardiões da Galáxia. Dois meses depois de se juntar à equipe, o herói truculento arrisca alguns flertes com Mantis, mas sem nenhum tato. Ao tentar dizer que a garota é diferente das demais, ele dispara vários xingamentos sobre a sua aparência, que chama de “horrível”, rendendo boas risadas ao público.

 

Stan Lee a lá Hitchcock

(Marvel/Divulgação)

O fundador da Marvel costumava imitar Alfred Hitchcock e aparecer sutilmente nas adaptações cinematográficas dos seus quadrinhos. Em Guardiões da Galáxia Vol.2, no entanto, ele ganhou uma passagem cômica, em que aparece contando “histórias de pescador” no espaço, com uma de astronauta laranja.

 


Arquivado em:Entretenimento

Doria chama grevistas de preguiçosos: acordem cedo!

Posted: 28 Apr 2017 09:26 AM PDT

O prefeito de São Paulo, João Doria, criticou hoje as greves deflagradas por centrais sindicais e movimentos sociais contra as reformas trabalhista e da Previdência. Doria disse que os grevistas não conseguiram bloquear seu acesso ao trabalho, pois ele acorda cedo.

"Volto a dizer a esses grevistas que tentaram bloquear meu acesso: acordem mais cedo, vagabundos, porque o prefeito acorda cedo e trabalha muito", disse ele em entrevista à rádio Joven Pan.

Ele há havia dito antes que não era "grevista que dorme, é preguiçoso e acorda tarde". "Eu não sou Jaiminho, não."

Doria disse que iria cobrar da Justiça a cobrança da multa fixada para o Sindicato dos Motoristas de São Paulo, que descumpriu a decisão de manter um percentual mínimo de ônibus circulando nas ruas.

"Vamos cobrar multas dos sindicatos que romperam a ordem e determinação da Justiça. Vamos cobrar as multas, meio milhão de reais para a paralisação de ônibus. Podem estar certos que multa será cobrada", disse.

A Prefeitura de São Paulo conseguiu uma liminar contra a greve dos motoristas. De acordo com decisão da 9º Vara do Trabalho de São Paulo, o sindicato deve manter frota mínima de 80% dos ônibus da rede municipal de transporte para linhas com itinerários que passem por hospitais e demais casas de cuidado à saúde, além de 60% para os horários de pico (das 6h às 9h e das 17h às 19h) durante o dia de amanhã .

A liminar obriga o sindicato a manter frota mínima de 40% nos demais horários (fora dos picos da manhã e da tarde) em linhas que não passem por instituições de saúde. Em caso de descumprimento, foi fixada multa de 500 mil reais por hora.

CORTE DE PONTO

Sobre o corte de ponto, Doria afirmou que os servidores que faltarem o dia todo terão o dia d salário descontado do pagamento.

Mas afirmou que era preciso ter "condescendência" com horário. "Haverá absoluta tolerância para situações de atraso."

(Reinaldo Canato/VEJA.com)" description="Radial Leste em São Paulo tem tráfego muito abaixo do normal durante greve geral convocada por sindicatos e movimentos sociais - 28/04/2017">(Reinaldo Canato/VEJA.com)" description="Radial Leste em São Paulo tem tráfego muito abaixo do normal durante greve geral convocada por sindicatos e movimentos sociais - 28/04/2017 Foto Reinaldo Canato / Veja.Com">(Reinaldo Canato/VEJA.com)" description="Estação Tatuapé, zona leste de São Paulo amanhece vazia durante greve geral em protesto contra as reformas propostas pelo governo Michel Temer - 28/04/2017">(Ricardo Matsukawa/VEJA.com)" description="Trens do metrô ficam no pátio na estação terminal Jabaquara, zona sul de São Paulo - 28/04/2017">(Felipe Cotrim/VEJA.com)" description="Terminal Parque Dom Pedro II no centro de São Paulo, amanhece vazio durante paralisação de motoristas e cobradores - 28/04/2017">(Ricardo Matsukawa/VEJA.com)" description="Avenida Rubem Berta tem movimentação abaixo do normal durante a manhã de greve geral na zona sul da capital paulista - 28/04/2017">(Ricardo Matsukawa/VEJA.com)" description="Terminal de ônibus do Jabaquara na zona sul de São Paulo, fica vazio durante paralisação de motoristas e cobradores que aderiram à greve geral em protestos contra as reformas do governo Michel Temer - 28/04/2017">(Vinicius Pereira/VEJA.com)" description="Viaduto Nove de Julho sem nenhum congestionamento durante a manhã de paralisação no centro de São Paulo - 28/04/2017">(Felipe Cotrim/VEJA.com)" description="Comércio no centro de São Paulo amanhece com as portas fechadas durante greve geral convocada por sindicatos e movimentos sociais em protesto às reformas do governo Michel Temer - 28/04/2017">(Reinaldo Canato/VEJA.com)" description="Estacão do Metrô de Itaquera fechada no inicio da manhã durante greve geral organizada por sindicatos e movimentos sociais - 28/04/2017">(Reinaldo Canato/VEJA.com)" description="Estacão do Metrô de Itaquera fechada no inicio da manhã durante greve geral organizada por sindicatos e movimentos sociais - 28/04/2017">(Felipe Cotrim/VEJA.com)" description="Comércio no centro de São Paulo amanhece com as portas fechadas durante greve geral convocada por sindicatos e movimentos sociais em protesto às reformas do governo Michel Temer - 28/04/2017">
Arquivado em:Economia

Greve geral: as paralisações desta sexta pelo país; siga ao vivo

Posted: 28 Apr 2017 09:21 AM PDT

Paralisação e manifestações foram registradas em 25 estados e no Distrito Federal nesta sexta-feira (28/04), na manhã do dia de greve geral. Os atos foram convocados pelas centrais sindicais em protesto contra as reformas trabalhista e da Previdência, propostas pelo governo do presidente Michel Temer. As mudanças na lei trabalhista foram aprovadas na última quinta-feira, enquanto aquelas referentes à aposentadoria estão em discussão na Câmara.

Estações de metrô e trem, além de terminais de ônibus, amanheceram vazios em diversos estados, devido à participação de sindicatos ligados ao transporte. Em São Paulo, cerca de 30 categorias aderiram à paralisação, entre motoristas, metroviários, ferroviários, bancários, aeroviários, professores municipais, estaduais e particulares, entre outros.

Acompanhe ao vivo a greve geral no Brasil:


13:21 – A imprensa internacional repercutiu a greve geral no Brasil desta sexta, que conta com protestos e paralisação de serviços pelo país. O jornal americano Wall Street Journal destacou a interrupção do sistema de transportes em São Paulo e o bloqueio de algumas das principais vias da capital paulista. A emissora inglesa BBC, a agência Reuters, a versão espanhola do jornal El País e a emissora americana ABC News também reportaram a greve.


13:07 – São Paulo: PM prende 16 manifestantes

Os protestos desta sexta tiveram 16 pessoas presas em São Paulo até as 10h desta sexta-feira. Segundo a Secretaria de Segurança Pública (SSP), os motivos para as prisões foram agressão a policiais e atos de vandalismo.

Em Pernambuco, o motorista de uma Kombi atropelou e matou um motociclista ao desviar de um bloqueio realizado por manifestantes que participam da greve geral, na BR-101 Sul, em Cabo de Santo Agostinho (PE).

Confronto no centro de SP

Polícia dispersa manifestantes na região do Theatro Municipal no centro de São Paulo – 28/04/2017 (Felipe Cotrim/VEJA.com)

 


12:50 – São Paulo: cerca de 10 servidores da saúde protestam diante do hospital Cachoeirinha

Um grupo formato por cerca dez servidores da saúde protestam contra as reformas propostas pelo governo Temer diante do hospital da Vila Nova Cachoeirinha na manhã de hoje. Os manifestantes esticam faixas contra a reforma trabalhista e previdenciária quando os semáforos em frente ao hospital fecham. Além das reformas, eles também realizam campanha salarial.

Nas dependências da unidade, o atendimento segue normalizado. Uma paciente, que pediu para não ser identificada, afirmou que o número de enfermeiros é menor e que o atendimento está mais demorado que em dias normais. Ela busca atendimento para o filho de seis anos. Uma auxiliar de enfermagem, que não quis se identificar por medo de represálias, disse que um ato pela manhã chegou a reunir mais de cem pessoas diante do hospital, mas por pouco tempo.

Os serviços de urgência foram mantidos e funcionam normalmente.

Greve geral 28/04: manifestantes no hospital Cachoeirinha

Grupo pequeno de manifestantes se reúne em frente ao hospital Cachoeirinha, em São Paulo – 28/04/2017 (Rafaela Lara/VEJA.com)


12:36 – Brasília: Ato acontece sob forte esquema de segurança. A cavalaria da Polícia Militar montou um cordão de isolamento, enquanto a Força Nacional concentra-se nos arredores dos ministérios. Policiais também contam com cães e portam bombas de efeito moral.  Manifestantes que descem rumo ao Congresso Nacional passaram por revistas.

Greve geral em Brasília: cavalaria da Polícia Militar monta cordão de isolamento

Cavalaria da Polícia Militar monta um cordão de isolamento em Brasília – 28/04/2017 (Felipe Frazão/VEJA)


11:30 – Doria chama grevista de preguiçoso e vagabundo: acordem cedo!

O prefeito de São Paulo, João Doria, criticou a greve geral desta sexta e afirmou que os manifestantes não conseguiram bloquear seu acesso ao trabalho, pois ele acorda cedo. "Volto a dizer a esses grevistas que tentaram bloquear meu acesso: acordem mais cedo, vagabundos, porque o prefeito acorda cedo e trabalha muito", disse ele em entrevista à rádio Joven Pan. O prefeito reforçou que os servidores que faltarem o dia todo terão o salário de hoje descontado do pagamento, mas atrasos serão tolerados.


12:14 – A companhia aérea Latam contabilizou o cancelamento de 27 voos em todo o país em razão das paralisações, por motivos como a dificuldade de acesso aos aeroportos.

Na quinta-feira, diversas empresas aéreas divulgaram medidas para facilitar a troca de passagens por parte de passageiros que quisessem evitar problemas no dia de greve geral. Confira como estão funcionando as alterações em cada companhia.


12:00 – São Paulo: Abertas, unidades de saúde têm baixa procura

No hospital Arthur Saboya, no Jabaquara, a administração avalia que a baixa procura acontece em razão da interrupção do transporte público. O mesmo cenário foi encontrado na UBS Vila Santa Catarina, próxima ao hospital.

No hospital municipal Arthur Saboya, funcionários não tinham muito o que fazer (Guilherme Venaglia/VEJA.com)


11:56 – São Paulo: CPTM atualiza situação das linhas de trem, em circulação parcial nesta sexta:

Linha 7-Rubi- Circulação entre as estações Luz e Pirituba

Linha 8-Diamante – Circulação entre as estações Osasco e Palmeiras-Barra Funda

Linha 9-Esmeralda – Circulação entre as estações Pinheiros e Jurubatuba

Linha 10-Turquesa – Circulação entre as estações Brás e Tamanduateí

Linha 11-Coral – Circulação entre as estações Tatuapé e Luz

Linha 12-Turquesa- Circulação entre as estações Brás e USP-Leste


11:49 – Brasília: Grupos indígenas engrossam o ato contra as reformas previdenciária e trabalhista, que segue esvaziado na capital do país e começaram a descer rumo ao Congresso Nacional. Os representantes de diversas etnias, no entanto, protestam sobre um tema diverso: o projeto que altera regras de demarcação de terras.

Greve geral em Brasília: grupos indígenas participam de manifestação

Grupos indígenas participam de manifestação em Brasília – 28/04/2017 (Felipe Frazão/VEJA)


11:41 – TVEJA: no Giro VEJA, confira as principais informações sobre a greve geral:


11:30 – Vídeo: Briga no aeroporto Santos Dumont, no Rio de Janeiro: manifestantes que protestavam no saguão do aeroporto, na capital fluminense, se envolveram em confusão na manhã desta sexta. Imagens feitas por passageiros um mostram grupo de pelo menos sete homens, alguns deles vestidos com coletes da Central Única dos Trabalhadores (CUT), trocando socos e chutes com outros três homens.


11:28 – Brasília: Justiça suspende paralisação total do transporte público

A 5ª Vara Federal do Distrito Federal, suspendeu a paralisação dos serviços metroviários e rodoviários nesta sexta-feira. A Advocacia-Geral da União (AGU) fixou uma multa de 1,6 milhão de reais para cada sindicato se houver descumprimento da decisão. Neste momento, um grupo pequeno de manifestantes ligados a centrais sindicais se concentra na Esplanada dos Ministérios.

Greve geral em Brasília

A União dos Policiais do Brasil ergueu um pato inflável na manifestação (Felipe Frazão/VEJA.com)


11:03 – No Rio de Janeiro, linhas 1,2 e 4 do metrô funcionam normalmente, segundo o Centro de Operações da Prefeitura. O metrô na superfície também opera.


11:00 – São Paulo: segundo a CPTM, linhas de trem metropolitanos tem funcionamento parcial. Confira:

Linha 7-Rubi- Circulação entre as estações Pirituba e Palmeiras-Barra Funda

Linha 8-Diamante – Circulação entre as estações Osasco e Palmeiras-Barra Funda

Linha 9-Esmeralda – Circulação entre as estações Santo Amaro  e Jurubatuba

Linha 10-Turquesa – Circulação entre as estações Luz e Tamanduateí

Linha 11-Coral – Circulação entre as estações Tatuapé e Luz

Linha 12-Safira- Circulação entre as estações Brás e USP-Leste


10:44 – Manifestantes realizam protestos em capitais pelo Brasil

Confira um resumo dos principais acontecimentos nesta manhã de paralisação em São Paulo, Rio de Janeiro, Brasília, Cuiabá e Belo Horizonte.


10:26 – Vândalos sabotaram linha de trem usando corrente, diz CPTM

Uma corrente foi arremessada nos fios de eletricidade que alimentam os trens entre as estações Osasco e Presidente Altino por volta das 8h, quando um dos trens se preparava para circular, informou a Companhia Paulista de Trens Metropolitanos. Funcionários da CPTM repararam os fios e a empresa vai registrar boletim de ocorrência.


10:22 – Confira imagens do dia de paralisação pelo país, convocado por centrais sindicais contra as reformas da Previdência e trabalhista propostas pelo governo Temer

(Felipe Cotrim/VEJA.com)" description="Polícia dispersa manifestantes na região do Theatro Municipal no centro de São Paulo - 28/04/2017">(Sergio Moraes/Reuters)" description="Mulher passa por uma faixa escrita 'Greve Geral' durante dia de manifestações contrárias às reformas propostas pelo governo Michel Temer no Rio de Janeiro - 28/04/2017">(Felipe Cotrim/VEJA.com)" description="Polícia dispersa manifestantes na região do Theatro Municipal no centro de São Paulo - 28/04/2017">(Ricardo Matsukawa/VEJA.com)" description="Estudantes fazem ato na Cidade Universitária (USP) durante dia de manifestações contrárias às reformas propostas pelo governo Michel Temer - 28/04/2017">(Ricardo Matsukawa/VEJA.com)" description="Estudantes fazem ato na Cidade Universitária (USP) durante dia de manifestações contrárias às reformas propostas pelo governo Michel Temer - 28/04/2017">(Nacho Doce/Reuters)" description="">(Ricardo Matsukawa/VEJA.com)" description="Estudantes fazem ato na Cidade Universitária (USP) durante dia de manifestações contrárias às reformas propostas pelo governo Michel Temer - 28/04/2017">(Werther Santana/Estadão Conteúdo)" description="Polícia tenta dispersar manifestantes que bloquearam a avenida Ragueb Chohfi, na zona leste da capital paulista - 28/04/2017">(Gabriela Biló/Estadão Conteúdo)" description="Manifestantes bloqueiam a Rua da Consolação, no centro de São Paulo. A polícia dispersou o grupo com bombas de gás lacrimogêneo - 28/04/2017">(Eduardo Knapp/Folhapress)" description="Bombeiros removem barricadas feitas por manifestantes na avenida Ipiranga, no centro de São Paulo, em dia de greve geral promovida por entidades sindicais contra as reformas trabalhista e da Previdência, propostas pelo governo Michel Temer - 28/04/2017">(Eduardo Knapp/Folhapress)" description="Policiais e manifestantes entram em confronto na avenida Ipiranga, durante manifestação no centro de São Paulo - 28/04/2017">(Aldo Carneiro/Futura Press/Folhapress)" description="Protesto complica trânsito na BR-101 Sul, no Jardim São Paulo, no Recife. O ato faz parte do movimento nacional contra as a reforma da Previdência e trabalhista - 28/04/2017">(Nacho Doce/Reuters)" description="Integrante do Movimento dos Trabalhadores Sem-Teto lança um tábua de madeira sobre uma barricada em chamas durante protesto contra as reformas do governo Michel Temer em São Paulo - 28/04/2017">(Felipe Cotrim/VEJA.com)" description="Terminal Parque Dom Pedro II no centro de São Paulo, amanhece vazio durante paralisação de motoristas e cobradores - 28/04/2017">(Felipe Cotrim/VEJA.com)" description="Terminal Parque Dom Pedro II no centro de São Paulo, amanhece vazio durante paralisação de motoristas e cobradores - 28/04/2017">(Felipe Cotrim/VEJA.com)" description="Terminal Parque Dom Pedro II no centro de São Paulo, amanhece vazio durante paralisação de motoristas e cobradores - 28/04/2017">(Reinaldo Canato/VEJA.com)" description="Estacão do Metrô de Itaquera fechada no inicio da manhã durante greve geral organizada por sindicatos e movimentos sociais - 28/04/2017">(Ueslei Marcelino/Reuters)" description="Manifestantes do Movimento dos Trabalhadores Sem Teto (MTST), fazem uma barricada durante protesto contra o presidente Michel Temer em Brasília - 28/04/2017">(Wilton Junior/Estadão Conteúdo)" description="Manifestantes fecham a via de acesso ao Aeroporto Santos Dumont, no Centro do Rio de Janeiro, impedindo a passagem de veículos aos terminais de embarque e desembarque - 28/04/2017">(Jose Lucena/Futura Press/Folhapress)" description="Protesto na Avenida Brasil, em frente a Rodoviária Novo Rio, no Rio de Janeiro (RJ) - 28/04/2017">(Nacho Doce/Reuters)" description="Barricadas bloqueiam trecho da via Dutra durante um protesto contra o presidente Michel Temer - 28/04/2017">(Reinaldo Canato/VEJA.com)" description="Na área externa do terminal Itaquera em São Paulo, passageiros recorrem a vans clandestinas para tentar chegar ao seu destino - 28/04/2017">(Reinaldo Canato/VEJA.com)" description="Na área externa do terminal Itaquera em São Paulo, muitos passageiros recorrem a ônibus de cooperativas e vans clandestinas para tentar chegar ao seu destino - 28/04/2017">(Reinaldo Canato/VEJA.com)" description="Estacão do Metrô de Itaquera fechada no inicio da manhã durante greve geral organizada por sindicatos e movimentos sociais - 28/04/2017">(Ricardo Matsukawa/VEJA.com)" description="Ônibus e vans de cooperativas ficam lotados de passageiros durante greve geral na saída do terminal de ônibus do Jabaquara, na zona sul de São Paulo - 28/04/2017">(Reinaldo Canato/VEJA.com)" description="Estacão do Metrô de Itaquera fechada no inicio da manhã durante greve geral organizada por sindicatos e movimentos sociais - 28/04/2017">(Ricardo Matsukawa/VEJA.com)" description="Ônibus e vans de cooperativas ficam lotados de passageiros durante greve geral na saída do terminal de ônibus do Jabaquara, na zona sul de São Paulo - 28/04/2017">(Reinaldo Canato/VEJA.com)" description="Estacão do Metrô de Itaquera fechada no inicio da manhã durante greve geral organizada por sindicatos e movimentos sociais - 28/04/2017">(Reinaldo Canato/VEJA.com)" description="Na área externa do terminal Itaquera em São Paulo, muitos passageiros recorrem a ônibus de cooperativas e vans clandestinas para tentar chegar ao seu destino - 28/04/2017">(Reinaldo Canato/VEJA.com)" description="No terminal de ônibus de Itaquera, zona leste da capital paulista, a alternativa são vans de cooperativas - 28/04/2017">(Reinaldo Canato/VEJA.com)" description="Na área externa do terminal Itaquera em São Paulo, passageiros recorrem a vans clandestinas para tentar chegar ao seu destino - 28/04/2017">(Ricardo Matsukawa/VEJA.com)" description="Vans clandestinas cobram até cinco reais para transportar passageiros ao metrô Paraíso na saída do terminal Jabaquara na zona sul de São Paulo - 28/04/2017">(Rafaela Lara/VEJA)" description="">(Reinaldo Canato/VEJA.com)" description="Na área externa do terminal Itaquera em São Paulo, muitos passageiros recorrem a ônibus de cooperativas e vans clandestinas para tentar chegar ao seu destino - 28/04/2017">(Ricardo Matsukawa/VEJA.com)" description="Polícia militar reforça a segurança no entorno do Aeroporto de Congonhas em São Paulo durante manifestação de sindicalistas - 28/04/2017">(Ricardo Matsukawa/VEJA.com)" description="Vans clandestinas cobram até cinco reais para transportar passageiros ao metrô Paraíso na saída do terminal Jabaquara na zona sul de São Paulo - 28/04/2017">(Ricardo Matsukawa/VEJA.com)" description="Manifestantes ligados a Força Sindical fazem ato no Aeroporto de Congonhas em São Paulo - 28/04/2017">(Ricardo Matsukawa/VEJA.com)" description="Manifestantes ligados a Força Sindical fazem ato no Aeroporto de Congonhas em São Paulo - 28/04/2017">(Ricardo Matsukawa/VEJA.com)" description="Manifestantes ligados a Força Sindical tentam bloquear o acesso ao Aeroporto de Congonhas em São Paulo - 28/04/2017">(Thais Augusto/VEJA.com)" description="Estação Santo André da CPTM fechada durante paralisação - 28/04/2017">(Reinaldo Canato/VEJA.com)" description="Manifestantes estendem um faixa em frente ao pátio da estação Jabaquara, zona sul de São Paulo - 28/04/2017">

10:20 – São Paulo: apesar da greve geral, algumas linhas do metrô e da CPTM funcionam de forma parcial ou total. Os ônibus, porém, seguem paralisados. Confira a situação do transporte na capital paulista.


10:05 – Tropa de Choque lança bombas contra estudantes no centro de SP

Cem estudantes de escolas particulares da capital paulista fizeram manifestação por volta das 8h40, na Rua da Consolação. Depois de 15 minutos, a Tropa de Choque da Polícia Militar lançou bombas de gás lacrimogêneo para dispersar o grupo. Os adolescentes são estudantes das escolas Oswald Andrade, Equipe, São Domingos e Escola da Vila.

Manifestantes bloqueiam a Rua da Consolação

Manifestantes bloqueiam a Rua da Consolação, no centro de São Paulo. A polícia dispersou o grupo com bombas de gás lacrimogêneo – 28/04/2017 (Gabriela Biló/Estadão Conteúdo)


10:04 – São Paulo: a CPTM informa que iniciou operação, às 9h25 na Linha 11-Coral, entre as estações Tauapé e Luz, e às 9h35 na Linha 12-Safira, entre as estações USP Leste e Brás.


10:00 – As ruas do centro de São Paulo, geralmente abarrotadas de carros, tem pouco trânsito e um baixíssimo número de pessoas que circulam pelas calçadas. A impressão durante a manhã é de uma cidade fantasma, devido à greve. Leia mais: Greve geral esvazia o centro de São Paulo


09:41 – Acompanhe a situação das principais rodovias do país durante a greve geral

São Paulo: na marginal Tietê, manifestantes ocuparam a pista local às 6h20 na altura da ponte Cruzeiro do Sul e na região da ponte da Freguesia do Ó. A situação foi normalizada por volta das 9h30.

Via Dutra (São Paulo-Rio)
Manifestantes ocuparam por volta das 8h30 duas faixas na altura do quilômetro 207 do sentido São Paulo-Rio de Janeiro, em Guarulhos (SP). O tráfego foi normalizado por volta das 9h.

Ponte Rio-Niterói
O sentido Rio da pista, na subida do vão central, foi ocupado por manifestantes às 6h20 e só acabou liberado às 8h. No sentido Niterói, o tráfego foi normalizado às 7h.

Confira mais informações sobre as vias da capital paulista, o Sistema Anchieta-Imigrantes (São Paulo capital-litoral), o Sistema Anhanguera-Bandeirantes e a região do Aeroporto de Guarulhos.


09:27 – São Paulo: a linha 5-Lilás do Metrô teve o funcionamento normalizado em todas as estações e a linha linha 1-Azul opera no trecho entre Paraíso e Luz com exceção de Sé, que permanece fechada. A linha 4-Amarela não foi paralisada nesta sexta-feira.


09:24 – Na Zona Sul de São Paulo, servidores da creche CEI Pequeno Seareiro, no Jardim Oriental, fizeram um 'quadro da previdência', com as idades previstas de aposentadoria dos alunos e professores, caso o projeto de reforma da Previdência seja aprovado no Congresso.

Greve geral 28/04: CEI Pequeno Seareiro, de São Paulo, faz 'quadro da aposentadoria'

‘Quadro da Previdência’, do CEI Pequeno Seareiro, mostra quando alunos e professores vão se aposentar se passar a reforma – 28/04/2017 (Guilherme Venaglia/VEJA.com)


09:10 – São Paulo: cerca de sessenta manifestantes contrários às reformas trabalhista e da Previdência propostas pelo governo Temer bloquearam a Av. Francisco Morato, até a altura rua Rua M.M.D.C, próximo à ponte Eusébio Matoso. A Av. Vital Brasil também está bloqueada até a rua Pirajuçara, do lado do metrô Butantã.

Greve geral 28/04: manifestação bloqueia Av. Francisco Morato, em São Paulo

Manifestantes bloqueiam Av. Francisco Morato, em São Paulo, durante a greve geral – 28/04/2017 (Júlia Braun/VEJA)


09:01 –  São Paulo: As empresas de ônibus de viagem do Terminal Rodoviário Jabaquara pretendem estabelecer um serviço mínimo de decidas para o litoral a partir das 9h, mas ainda não informam como pretendem colocar em prática essa operação.


08:57 – São Paulo: o Metrô vai retomar parcialmente as operações da linha 5-Lilás, entre as estações Adolfo Pinheiro e Campo Limpo. A previsão era de retomada às 8h, mas a empresa ainda trabalha em um plano de contingência para operar com os funcionários que compareceram ao trabalho nesta sexta.

A linha 1-Azul já opera entre as estações Paraíso e Luz:


08:55 – São Paulo: A CPTM vai retomar parcialmente na manhã desta sexta a operação das linhas 8-Diamante (entre as estações Barra Funda e Osasco) e a linha 9-Esmeralda (entre Pinheiros e Santo Amaro). A empresa está alocando os funcionários que não aderiram à greve. A previsão inicial era de que o serviço retornasse às 8h.

A linha 10 já circula parcialmente:


08:50 – Rio de Janeiro: ponte Rio-Niterói liberada nos dois sentidos, informa o Centro de Operações da Prefeitura


08:37 – No Rio de Janeiro, apesar da greve, trens e metrô funcionam. Linhas de ônibus urbanos trafegam com a frota reduzida, mas atendem à população. Já a ponte Rio-Niterói está bloqueada por um grupo de manifestantes, na altura do vão central. O congestionamento atinge 5 quilômetros e provoca reflexos na rodovia Niterói-Manilha, extensão da BR-101, no bairro de Niterói.

Manifestantes fecham a via de acesso ao Aeroporto Santos Dumont

Manifestantes fecham a via de acesso ao Aeroporto Santos Dumont, no Centro do Rio de Janeiro, impedindo a passagem de veículos aos terminais de embarque e desembarque – 28/04/2017 (Wilton Junior/Estadão Conteúdo)

Black blocs

Na capital fluminense, um grupo de black blocs montou barricadas na Rua 7 de Setembro, na linha do Veículo Leve sobre Trilhos (VLT). Ativistas também bloquearam quase totalmente a pista da Linha Vermelha, no Rio de Janeiro, na altura da Ilha do Fundão. Com faixas e bandeiras, eles protestam contra as reformas da Previdência e trabalhista e deixam apenas uma pista livre, o que causou engarrafamento na região.


08:32São Paulo: CPTM informa que a linha 10 do trem voltará a funcionar parcialmente


08:15 – O Terminal Rodoviário de Santo André segue com pouca movimentação durante a manhã. Passageiros tiram fotos para enviar aos chefes e provar a impossibilidade de chegar ao trabalho.

Confira a situação no terminal:


08:05 – Tem carro? O rodízio de veículos foi suspenso em São Paulo nesta sexta, devido às paralisações do transporte público. A Prefeitura também suspendeu cobrança de Zona Azul na capital.


07:55 – São Paulo: Companhia de Engenharia de Tráfego informa problemas no trânsito na capital paulista

Acompanhe outros problemas no trânsito no Twitter da CET: @cetsp_


07:52 – Governo federal identificou que black blocs devem se infiltrar em manifestações programadas para esta sexta-feira. Na avaliação do Palácio do Planalto, os organizadores da greve geral querem criar uma imagem de "caos" no país logo cedo. Saiba mais: Governo federal identifica atuação de black blocs 


07:43 – CPTM: confira informações sobre a paralisação das linhas de trem em São Paulo


07:38 – Acompanhe a situação no Terminal Rodoviário Jabaquara, em São Paulo

O terminal concedido à iniciativa privada, onde 15.000 pessoas circulam diariamente, estava com a estrutura aberta, mas o transporte para o litoral de São Paulo foi interrompido. Assista ao vivo à situação no local:


07:34 – Brasília está sem ônibus e metrô devido à paralisação desta sexta. Os acessos ao Aeroporto Internacional Juscelino Kubitschek foram interditados pela Polícia Militar por medida de precaução, pois manifestantes bloquearam vias e puseram fogo em barreiras de pneus. Algumas pessoas deixaram os carros e foram a pé até o terminal.


07:25 – Você pode ser descontado do trabalho se não conseguir transporte?

Entenda seus direitos e deveres neste dia de greve geral e como os patrões podem agir.


07:18 – Importantes vias de acesso a São Paulo, que estão entre as mais movimentadas do país, foram bloqueadas por protestos no início da manhã de hoje. Bloqueio em trechos da Via Dutra (São Paulo-Rio) causou um quilômetro de lentidão. Acompanhe a situação das principais rodovias durante a greve.

Protesto bloqueia a via Dutra

Barricadas bloqueiam trecho da via Dutra durante um protesto contra o presidente Michel Temer – 28/04/2017 (Nacho Doce/Reuters)


07:10 – O Terminal Barra Funda, na Zona Oeste de São Paulo,  amanheceu com poucas pessoas nesta sexta – local onde normalmente circulam 40.000 passageiros por dia. Os terminais do Metrô e da Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM) permanecem fechados e, no terminal de ônibus, apenas lotações circulam. Saiba mais: Terminal Barra Funda amanhece esvaziado.

Greve geral 28/04: estação Barra Funda

Terminal Barra Funda, na Zona Oeste de São Paulo, fechado com as paralisações desta sexta-feira – 28/04/2017 (Rafaela Lara/VEJA)


06:55 – Durante as primeiras horas da manhã, manifestantes ligados ao sindicato dos aeroviários protestavam no Aeroporto de Congonhas. A manifestação saiu do aeroporto e seguiu para a sede do sindicado dos aeroviários, próximo do local. Eles ocupam duas faixas da rua de acesso ao aeroporto. Polícia Militar e organizadores da manifestação não fizeram estimativas de quantas pessoas comparecerem.

Greve Geral

Manifestantes ligados a Força Sindical tentam bloquear o acesso ao Aeroporto de Congonhas em São Paulo – 28/04/2017 (Ricardo Matsukawa/VEJA.com)


06:52 – Em TVEJA, confira ao vivo a situação no Terminal Dom Pedro II, em São Paulo:


06:48 – No Aeroporto de Congonhas, em São Paulo, os voos não foram afetados na manhã de hoje. Uma assembleia do sindicato dos aeronautas (pilotos e comissários) decidiu ontem à noite não aderir à greve. Leia mais: Aeroporto de Congonhas funciona normalmente

Greve Geral

Manifestantes ligados a Força Sindical fazem ato no Aeroporto de Congonhas em São Paulo – 28/04/2017 (Ricardo Matsukawa/VEJA.com)


06:44 – Antes de sair de casa, confira o que funciona e o que não funciona com as paralisações desta sexta-feira:

Greve geral: Saiba quem deve parar nesta sexta e programe-se


06:34 – Terminal Jabaquara, em São Paulo, fechado e vazio, com poucas pessoas tentando ir para o metrô. Apenas lotações e fretados circulam. Terminal Metropolitano de ônibus de Santo André também vazio.


06:26 – Em São Paulo, linhas de ônibus, metrô e CPTM estão completamente paradas na manhã desta sexta-feira. De acordo com a Metrô, apenas a Linha Amarela – 4 está em funcionamento.

 


Arquivado em:Brasil, Economia

Operação cumpre 80 mandados de prisão contra traficantes

Posted: 28 Apr 2017 09:12 AM PDT

Um grupo de narcotraficantes especializados em trazer grandes carregamentos de drogas para o Brasil é alvo da Operação Malote, da Polícia Federal, deflagrada nesta sexta-feira. Estão sendo cumpridos mais de 80 mandados judiciais na ação policial.

Baseada em Umuarama, no noroeste do Paraná, a quadrilha tinha ramificações em Mato Grosso do Sul e, conforme a PF, fornecia drogas para São Paulo, Rio de Janeiro e estados da Região Nordeste.

A quadrilha atuava há dois anos, período em que foram apreendidas 39 toneladas de maconha e 160 quilos de cocaína. Ao longo da investigação, em novembro de 2015, a PF também conseguiu fazer, em Porto Camargo (PR), no noroeste do estado, a maior apreensão de maconha já registrada no Brasil. À época 24,5 toneladas foram encontradas às margens do Lago de Itaipu. Os agentes prenderam 21 pessoas.

WhatsApp não coopera

Durante as investigações, os investigadores descobriram que o grupo criminoso se comunicava por mensagens trocadas no WhatsApp e solicitaram à Justiça Federal de Umuarama dados dessas conversas. A Justiça autorizou o monitoramento e determinou que o aplicativo de mensagens repassasse os dados solicitados, mas a empresa não cumpriu a ordem judicial e foi multada diariamente.

Além das duas decisões que suspenderam o funcionamento do WhatsApp no Brasil temporariamente em 2016, as multas aplicadas à empresa por não cooperar com a Justiça brasileira em investigações somam 2,1 bilhões de reais.

Com o apoio da Receita Federal, que identificou o patrimônio da quadrilha, os bens foram bloqueados. No total, 49 equipes da PF participaram da operação, incluindo a Coordenação de Aviação Operacional de Brasília.

Se condenados, os investigados devem responder por crimes ligados à Lei Antidrogas e à Lei de Combate ao Crime Organizado, além de corrupção ativa e passiva. As penas podem ser superiores a 40 anos de prisão.

(com Agência Brasil)


Arquivado em:Brasil

Como funcionam as promoções da Uber, Cabify e 99 na greve

Posted: 28 Apr 2017 09:11 AM PDT

Os aplicativos de transporte de passageiros aproveitaram a greve geral para dar descontos para seus usuários. No caso da Uber, o desconto vale apenas para usuários de São Paulo que compartilharem carros no horário de pico.

A Uber promete até dois descontos de 20 reais para viagens realizadas nos horários de pico. A promoção da manhã já acabou, ia das 7h às 11h. Mas ainda dá para usar o código promocional da tarde (UBERCOMPARTILHADO2) para viagens realizadas das 16h às 20h.

Já a 99 vai oferecer dois descontos de até 20 reais nas corridas para usuários de todo o país. O desconto vale para qualquer horário do dia.

A promoção é válida para corridas de carros particulares, o 99POP, no Rio de Janeiro e em São Paulo, e de táxi, nas mesmas localidades e em todas as 1.087 cidades brasileiras atendidas pelo aplicativo. Para usar a promoção da 99 é necessário usar o código 99NAOPARA na aba promoção do aplicativo.

A Cabify oferece até amanhã três corridas de até 25 reais para novos usuários do aplicativo. Para ter direito ao desconto é necessário usar o código DeCabifyEuVou.

Para usuários que já utilizam a plataforma, a Cabify dará 15% de desconto, limitado a 20 reais, em até 20 corridas realizadas até as 20h59 de segunda-feira. O código dessa promoção é HospitalBarretos. A Cabify também irá doar 0,50 reais de cada corrida para o Hospital de Câncer de Barretos até o fim da promoção.


Arquivado em:Economia

Presidente do Senado, Eunício deixa a UTI, mas continua internado

Posted: 28 Apr 2017 09:10 AM PDT

Internado desde a quinta-feira, o presidente do Senado, Eunício Oliveira (PMDB-CE), recebeu alta da Unidade de Tratamento Intensivo (UTI) no final da manhã desta sexta-feira, segundo boletim médico divulgado pelo Hospital Santa Lúcia, em Brasília.

“O paciente já se encontra consciente, orientado e caminhando bem. Realizará uma ressonância magnética de crânio com contraste ainda hoje”, diz o boletim do hospital. A expectativa é de que o presidente do Senado possa receber alta hospitalar até sábado.

Eunício sofreu um desmaio e foi internado na madrugada de quinta. Em um primeiro diagnóstico, suspeitou se tratar de um acidente vascular cerebral (AVC), mas essa hipótese já está descartada após a realização de exames de imagem, segundo o Hospital Santa Lúcia.

A agenda do Senado foi intensa na semana passada, com as aprovações-relâmpagos da lei que pune o abuso de autoridade e a extinção do fim do foro privilegiado. Nos próximos dias, Casa poderá ter de discutir a reforma trabalhista, aprovada já em primeira votação na Câmara, onde deve passar por uma segunda votação na próxima semana.

(Com Estadão Conteúdo)

 


Arquivado em:Brasil, Economia, Política

Poder Judiciário, o freio de Donald Trump

Posted: 28 Apr 2017 08:54 AM PDT

Pouco depois de assumir um dos cargos mais poderosos do mundo, o presidente Donald Trump recebeu da Justiça americana um lembrete de que, apesar de seu novo status, não pode fazer o que bem entender. O republicano teve seu propagandeado decreto anti-imigração, que proibia a entrada de muçulmanos e refugiados no país, suspenso por um juiz distrital, decisão depois corroborada pela Corte de Apelação.

O embate precoce definiu o tom das relações entre o líder e a magistratura dos Estados Unidos. Mas Trump foi habilidoso no contra-ataque.

Depois de sofrer mais uma derrota judicial, com seu segundo decreto contra a imigração também derrubado por um tribunal federal primário, o presidente americano obteve o primeiro grande triunfo de sua administração ao emplacar a indicação do juiz federal Neil Gorsuch para ocupar uma vaga na Suprema Corte.

Com a nomeação do conservador Gorsuch, Trump conseguiu, depois de uma árdua batalha contra a oposição democrata, a maioria no mais alto tribunal do país. "Foi uma vitória muito significativa e influencia o curso do governo porque muda o equilíbrio da Suprema Corte", diz o cientista político americano Marc Landy, da Boston College.

Landy lembra também que o presidente americano deve ter a chance de indicar outros juízes ao longo de seu mandato, o que fortaleceria o viés conservador da Corte e aumentaria ainda mais a influência de seu partido.

“Vejo vocês no tribunal”

Mesmo com a maioria conservadora da Suprema Corte, os juízes dos 94 tribunais distritais e 13 cortes de apelação provaram que a independência de poderes está mais viva do que nunca e podem continuar a atravancar seu governo, retardando a entrada em vigor de leis importantes para o presidente.

Ao ter seu primeiro decreto obstruído, o presidente ficou furioso e, como de costume, usou as redes sociais para desafiar a decisão. Trump se apropriou da mais caricata advertência americana: “Vejo vocês no tribunal”, escreveu em sua conta no Twitter, referindo-se ao fato de que apelaria à Suprema Corte. “A segurança da nossa nação está em jogo”, completou.

O mais recente caso aconteceu esta semana, quando o juiz distrital William Orrick, de São Francisco, derrubou o decreto presidencial que determinava o bloqueio de fundos para ascidades-santuário de imigrantes ilegais.

Trump prometeu apelar à Suprema Corte, mas a determinação judicial precisará antes passar pela avaliação da Corte de Apelação. O processo pode ser moroso. O presidente ainda aguarda que a decisão distrital contra seu segundo decreto anti-imigração seja analisada. Só depois disso poderá levar a disputa para a mais alta instância.

"A expectativa é que o judiciário siga contrabalançando Trump no que forem considerados excessos do Executivo", diz Fernanda Magnotta, coordenadora do Curso de Relações Internacionais da Fundação Armando Alvares Penteado (FAAP).

Como funciona a justiça americana

O sistema judiciário dos Estados Unidos é formado pelas justiças Estadual e Federal, sendo esta última, encarregada de interpretar e decidir questões relacionadas à legislação do país, dividida em três níveis.

Na base da hierarquia estão os Tribunais Federais distritais. Os juízes dos 94 distritos têm poder para questionar e suspender os decretos presidenciais. Suas decisões podem ser questionadas na segunda instância, as Cortes de Apelação, e na Suprema Corte, que ocupa o topo da pirâmide e tem a palavra final.

A Suprema Corte é formada por 9 juízes, que são indicados pelo Presidente da República e têm cargos vitalícios, mas precisam ter seu nome aprovado pelo Senado. Apesar de irrefutável, a Suprema Corte tem ação limitada. Dos 5.000 casos que recebe anualmente, seus juízes escolhem menos de 100 para serem julgados.

 


Arquivado em:Mundo

China pediu à Coreia do Norte que suspenda testes nucleares

Posted: 28 Apr 2017 08:48 AM PDT

O Secretário de Estado dos Estados Unidos, Rex Tillerson, disse que a China ameaçou impor sanções à Coreia do Norte se Pyongyang voltar a conduzir testes nucleares. “Sabemos que a China está em contato com o regime em Pyongyang,”, afirmou Tillerson à Fox News Channel. “Eles confirmaram para nós que pediram ao regime para não realizar mais testes nucleares.”

Nas últimas semanas, o governo do presidente Donald Trump tem declarado que todas as opções, inclusive um possível ataque militar, estão em aberto para evitar que a Coreia do Norte leve adiante ameaças contra os EUA e seus aliados na região da Península Coreana.

"Há uma chance de acabarmos tendo um grande, grande conflito com a Coreia do Norte. Com certeza", afirmou Trump à agência Reuters em conversa no Salão Oval da Casa Branca nesta quinta-feira.

A escalada de tensões entre EUA e Coreia do Norte nas últimas semanas incluiu as constantes bravatas do ditador norte-coreano, um teste fracassado de míssil de Pyongyang e o envio de um porta-aviões e um submarino nuclear da Marinha americana para a região. Os EUA também realizam exercícios conjuntos com a Coreia do Sul e prometem instalar em breve um sistema de defesa antimísseis. Em resposta, Kim Jong-un garantiu que pode atacar Seul e Washington sem aviso prévio.

(Com Estadão Conteúdo)


Arquivado em:Mundo

Acompanhe a situação das principais rodovias durante a greve

Posted: 28 Apr 2017 08:45 AM PDT

Com a greve geral convocada por sindicatos e e centrais sindicais nesta sexta-feira em todos os estados e ao menos 24 capitais brasileiras, com cerca de 250 categorias paralisadas, algumas manifestações ocupam trechos de rodovias importantes, marginais e vias das capitais.

Veja abaixo a situação de algumas das mais movimentadas vias do país durante a greve:

Marginal Tietê (capital)

Na marginal Tietê, manifestantes ocuparam a pista local às 6h20 na altura da ponte Cruzeiro do Sul, próximo à rodoviária do Tietê, na Zona Norte, e na região da ponte da Freguesia do Ó, no sentido da rodovia Castelo Branco. A situação foi normalizada por volta das 9h30.

Outra manifestação, na região da ponte do Tatuapé, interrompeu o tráfego da pista local da marginal Tietê no sentido da rodovia Ayrton Senna às 7h50 e terminou por volta das 9h50.

Vias da capital paulista

A avenida 23 de Maio, na região da Praça da Bandeira, sentido Santana, foi totalmente ocupada por volta das 7h e liberada por volta das 7h35.

O cruzamento das avenidas Ipiranga e São João, na região da República, também foi ocupado por manifestantes, que fizeram barricadas. A via foi desbloqueada por volta das 8h50.

Segundo a Companhia de Engenharia de Tráfego (CET), havia, por volta das 7h20, 16 manifestações em vias e próximas a vias em São Paulo.

Ponte Rio-Niterói

O sentido Rio da pista, na subida do vão central, foi ocupado por manifestantes às 6h20 e só acabou liberado às 8h.

O sentido Niterói, também na altura da subida do vão central, chegou a ser interrompido pela manifestação por volta das 6h45, mas o tráfego foi normalizado às 7h.

Via Dutra (São Paulo-Rio)

Manifestantes ocuparam por volta das 8h30 duas faixas da direita da pista na altura do quilômetro 207 do sentido São Paulo-Rio de Janeiro, em Guarulhos (SP). O tráfego foi normalizado por volta das 9h.

Ainda em Guarulhos, na altura do quilômetro 213, a concessionária NovaDutra informa que manifestantes caminham por duas faixas de rolamento e o tráfego segue pela faixa da esquerda. A opção para o motorista que segue sentido São Paulo é utilizar a pista expressa, que está com tráfego intenso, sem interdições.

No trecho do Vale do Paraíba da Dutra, manifestantes se concentraram no canteiro da pista, sem bloqueio das vias, na altura dos quilômetros 127, em Caçapava (SP), e 116, em Taubaté (SP). Os protestos terminaram por volta das 9h25, de acordo com a concessionária.

No quilômetro 145, em São José dos Campos (SP),  as pistas marginal e expressa foram ocupadas por manifestantes em frente à Revap por volta das 7h40, situação normalizada às 8h30.

Sistema Anchieta-Imigrantes (São Paulo capital-litoral)

Manifestantes bloquearam, por volta das 5h15, a rodovia Cônego Domênico Rangoni na altura do quilômetro 270, sentido Guarujá. Depois de ação da Polícia Militar, em que houve um princípio de conflito com os manifestantes, a pista foi liberada por volta das 6h55.

Também devido a manifestações, a serra da Via Anchieta foi bloqueada entre os quilômetros 40 e 38, sentido litoral.

Segundo a concessionária Ecovias, que administra o sistema, o tráfego foi normalizado por volta das 9h10.

Uma liminar concedida pela Justiça paulista ontem determina multa de 2,5 milhões de reais a sindicatos e manifestantes em caso de ocupação de qualquer via do Sistema Anchieta-Imigrantes.

Sistema Anhanguera-Bandeirantes

Manifestantes bloquearam o sentido interior da Anhanguera na altura do quilômetro 60, na região de Jundiaí (SP), situação já normalizada.

Os dois sentidos da Anhanguera na altura dos quilômetros 18 e 20, na região de Osasco, foram interditados por protestos no início da manhã. Às 9h40, o sentido capital-interior continua parcialmente ocupado e o trânsito flui por uma faixa.

Aeroporto de Guarulhos

Por volta das 3h30, a rodovia Hélio Smidt, que leva ao aeroporto internacional de Guarulhos, na grande São Paulo, foi bloqueada na altura do quilômetro 2,5. O tráfego chegou a ser desviado para o sentido oposto, pelo canteiro central e foi normalizado por volta das 5h30.


Arquivado em:Brasil

’13 Reasons Why’: roteiros da 2ª temporada já estão em produção

Posted: 28 Apr 2017 08:45 AM PDT

De acordo com a revista The Hollywood Reporter, a Netflix está empenhada em lançar uma segunda temporada de 13 Reason Why, a série que dividiu opiniões por abordar sem filtros o suicídio de uma adolescenteFontes da publicação afirmam que um grupo de roteiristas já trabalha nos novos episódios há algumas semanas. O serviço de streaming se nega a comentar a informação.

Criado por Brian Yorkey e produzido por Selena Gomez, o drama é baseado no romance Os 13 Porquês, de Jay Asher, e gira em torno de Hannah Baker (Katherine Langford), que explica a sua decisão de cometer suicídio em uma série de fitas cassete direcionadas a amigos do colégio. Além de explorar o suicídio adolescente, a série discute o bullying e o assédio sexual. O programa tem sido objeto de intenso debate entre pais, filhos, professores e especialistas.


Arquivado em:Entretenimento

PM prende 16 manifestantes em São Paulo

Posted: 28 Apr 2017 08:44 AM PDT

Os protestos contra as reformas trabalhista e da Previdência propostas pelo governo do presidente Michel Temer tiveram 16 pessoas presas em São Paulo até as 10h desta sexta-feira. As manifestações fazem parte da greve geral convocada por centrais sindicais e sindicatos contra as medidas econômicas. Segundo a Secretaria de Segurança Pública (SSP), os motivos para as prisões foram agressão a policiais e atos de vandalismo.

Veja também

O secretário de Segurança Pública, Mágino Barbosa Filho, disse em entrevista que até as 10h não havia registro de feridos nem relatos de depredação do patrimônio público. De acordo com Barbosa Filho, entre os detidos há manifestantes que carregavam galões com gasolina e pregos. O secretário afirmou também que a mobilização policial teve o objetivo de “garantir o direito constitucional de ir e vir”.

Os protestos fecharam a Marginal Tietê, uma das principais vias expressas da capital paulista, colocando obstáculos sobre as faixas de rolamento. Em outras avenidas importantes de São Paulo, como a Ipiranga, na região da República, também foram usadas barricadas com pneus e outros objetos, aos quais os manifestantes atearam fogo.

Morte em Pernambuco

Um motorista de uma Kombi atropelou e matou um motociclista ao desviar de um bloqueio realizado por manifestantes que participam da greve geral na manhã desta sexta-feira, na BR-101 Sul, em Cabo de Santo Agostinho (PE). O protesto tentava impedir o acesso ao Complexo Portuário de Suape.

(com Agência Brasil e Estadão Conteúdo)


Arquivado em:Brasil

Temer repete Dilma e não falará sobre 1º de Maio em cadeia de TV

Posted: 28 Apr 2017 08:44 AM PDT

O presidente Michel Temer (PMDB), que acompanha a greve geral do Palácio do Planalto, irá repetir estratégia adotada pela então presidente Dilma Rosseff (PT) e não irá fazer pronunciamento sobre o dia 1º de Maio, Dia do Trabalho, na próxima segunda-feira – nesta sexta-feira, ele gravará um vídeo sobre o dia, que circulará apenas nas redes sociais.

Dilma adotou a estratégia pela primeira vez em maio de 2015, quando seu governo já enfrentava vários protestos, sua popularidade era baixíssima e ganhava força a tese do impeachment. A intenção da petista era evitar panelaços, forma de manifestação que se tornou comum no seu segundo mandato. Antes, desde 2011, quando assumiu o governo, ela sempre falara em cadeia de rádio e TV sobre temas como crescimento do emprego e correção da tabela do Imposto de Renda.

Em maio de 2016, Dilma chegou a participar de ato da Central Única dos Trabalhadores (CUT) no Vale do Anhangabaú, em São Paulo, onde anunciou um pacote de medidas sociais – entre elas o reajuste de 9% no Bolsa-Família – e denunciou o que chamou de “golpe” em andamento contra seu governo. Onze dias depois, ela foi afastada do cargo.

Já no vídeo que irá disponibilizar nas redes sociais, Temer deverá fazer uma defesa das reformas trabalhista e da Previdência, principais motivos da greve geral em andamento no país nesta sexta-feira. As duas propostas estão em tramitação no Congresso Nacional e enfrentam dificuldades. A trabalhista foi aprovada na Câmara nesta semana, em primeira votação, com 296 votos, número insuficiente para passar a reforma da Previdência, que, por ser mudança constitucional, precisa de 308 apoios. Além disso, o governo enfrentou mais de 80 “traições”, de todos os partidos da base, inclusive o PMDB.

Nesta sexta-feira, Temer chegou ao Planalto às 10h e despachou com o ministro da Secretaria-Geral, Moreira Franco. Por volta das 11h15, Temer estava reunido com o ministro da Secretaria de Governo, Antonio Imbassahy. Depois, receberá a ministra da Advocacia-Geral da União (AGU), Grace Mendonça. Há a previsão de que Moreira Franco – que é responsável pela comunicação do Planalto – possa fazer um “balanço” no fim do dia. A iniciativa, ainda não confirmada, era comum durante o governo de Dilma, que escalava ministros para conversarem com a imprensa sobre as manifestações.

No final da tarde, há um protesto previsto para a frente da casa de Temer em São Paulo, no Alto de Pinheiros, bairro nobre da zona oeste de São Paulo. O presidente e sua família estarão em Brasília, mas a segurança será reforçada na região, com bloqueios policiais e de trânsito – a ideia da Polícia Militar é impedir que os manifestantes cheguem à residência do peemedebista. O ato é convocado por centrais sindicais e grupos de esquerda, como as frentes Brasil Popular e Povo sem Medo.

(Com Estadão Conteúdo)

 


Arquivado em:Brasil, Economia, Política

Imprensa internacional repercute greve no Brasil

Posted: 28 Apr 2017 08:43 AM PDT

Alguns dos principais meios de comunicação do mundo noticiaram as paralisações e manifestações registradas em 25 estados brasileiros nesta sexta-feira. O jornal americano Wall Street Journal destacou a interrupção do sistema de transportes em São Paulo e o bloqueio de algumas das principais vias da capital paulista.

"Nos últimos dois anos, o Brasil sofreu com a pior recessão econômica já registrada, o que reduziu as receitas fiscais e fez com que as mudanças propostas fossem ainda mais urgentes, dizem alguns economistas", diz a reportagem do WSJ.

A emissora BBC e a agência Reuters também noticiaram o evento. O canal de notícias britânico falou na "primeira greve geral em duas décadas".

"No polo econômico de São Paulo, na principal área turística do Rio de Janeiro e em várias outras áreas metropolitanas, manifestantes usaram barricadas de pneus queimados e outros materiais para bloquear rodovias e o acesso a grandes aeroportos", escreveu a Reuters em seu site.

A versão espanhola do site El País anunciou a greve desta sexta no dia anterior, enquanto a emissora americana ABC News noticiou o evento e discutiu a atual situação econômica do Brasil.

(//Reprodução)

"O governo do presidente Michel Temer argumenta que regras trabalhistas mais flexíveis revitalizarão uma economia moribunda e adverte que o sistema de pensões irá falir sem mudanças. Uniões e outros grupos chamam a população para a greve, dizendo que as mudanças tornarão os trabalhadores muito vulneráveis e acabarão com muitos benefícios", diz o site da emissora americana ABC.

(//Reprodução)


Arquivado em:Brasil, Mundo, Política

F1: Ferrari faz dobradinha no primeiro dia de treinos na Rússia

Posted: 28 Apr 2017 08:35 AM PDT

Com a segunda sessão de treinos livres do dia, a primeira atividade preparatória para o GP da Rússia de Fórmula 1 foi finalizada na manhã desta sexta-feira, no circuito de Sochi, e a Ferrari tem motivos para comemorar: Sebastian Vettel e Kimi Raikkonen fizeram os melhores tempos. A Mercedes seguiu logo atrás, com Valtteri Bottas e Lewis Hamilton em terceiro e quarto.

Vettel fez 36 voltas e marcou 1min34s120, recorde da pista, que pertencia ao atual campeão, o aposentado Nico Rosberg. Raikkonen foi o segundo mais rápido, com o tempo de 1min34s383.

Felipe Massa foi o sétimo melhor na atividade com a Williams, anotando 1min36s261, em 39 voltas completadas.

Os tempos do primeiro dia em Sochi:

1: Sebastian Vettel (ALE/Ferrari) – 1min34s120

2: Kimi Raikkonen (FIN/Ferrari) – 1min34s383

3: Valtteri Bottas (FIN/Mercedes) – 1min34s790

4: Lewis Hamilton (ING/Mercedes) – 1min34s829

5: Max Verstappen (HOL/Red Bull) – 1min35s540

6: Daniel Ricciardo (AUS/Red Bull) – 1min35s910

7: Felipe Massa (BRA/Williams) – 1min36s261

8: Nico Hulkenberg (ALE/Renault) – 1min36s329

9: Kevin Magnussen (DIN/Haas) – 1min36s506

10: Sergio Pérez (MEX/Force India) – 1min36s600

11: Esteban Ocon (MEX/Force India) – 1min36s654

12: Fernando Alonso (ESP/McLaren) – 1min36s765

13: Jolyon Palmer (ING/Renault) – 1min36s771

14: Romain Grosjean (FRA/Haas) – 1min37s039

15: Carlos Sainz (ESP/Toro Rosso) – 1min37s083

16: Stoffel Vandoorne (BEL/McLaren) – 1min37s125

17: Daniil Kvyat (RUS/Toro Rosso) – 1min37s300

18: Pascal Wehrlein (ALE/Sauber) – 1min37s441

19: Lance Stroll (CAN/Williams) – 1min37s747

20: Marcus Ericsson (SUE/Sauber) – 1min37s819

(Com Gazeta Press)


Arquivado em:Esporte

Em nova fase da Lava Jato, PF mira assessores de Sarney e Jucá

Posted: 28 Apr 2017 08:33 AM PDT

Assessores do ex-presidente José Sarney e do senador Romero Jucá (PMDB-RR) estão entre os alvos da operação deflagrada nesta sexta-feira, por ordem do Supremo Tribunal Federal (STF), como parte das investigações da Lava Jato.

Logo cedo, agentes federais cumpriram mandados de busca e apreensão em endereços de Amauri Cezar Piccolo, braço-direito de Sarney, e de Tarciana Maria de Assis Ribeiro Xavier, que trabalhou com Jucá no Senado.

Também foi alvo da ação o advogado Bruno Mendes, ligado ao senador Renan Calheiros (PMDB-AL).

Os mandados foram expedidos pelo ministro Edson Fachin, relator da Lava-Jato no STF. Foi a segunda etapa da Operação Satélites, assim chamada por mirar pessoas próximas a investigados detentores de foro privilegiado.

As buscas foram pedidas pela Procuradoria-Geral da República (PGR) no início de abril e autorizadas há pouco mais de uma semana pelo ministro Fachin. O objetivo é apurar irregularidades na Transpetro, subsidiária da Petrobras. São investigados crimes como corrupção, lavagem de dinheiro e organização criminosa, entre outros.

Ao todo, estão sendo cumpridos 10 mandados em Alagoas, no Distrito Federal, no Rio Grande do Norte, em São Paulo, em Sergipe e no Rio Grande do Norte.

Veja também

Em maio do ano passado, o procurador-geral da República Rodrigo Janot pediu a prisão de Sarney, Renan e Jucá por suspeita de obstrução da Lava-Jato. Naquela ocasião, o ex-presidente da Transpetro Sergio Machado gravou clandestinamente os peemedebistas, preocupados com os desdobramentos das investigações do petrolão. Em um dos áudios, Jucá chegou a mencionar um pacto para "estancar a sangria" causada pela Lava-Jato.

Em setembro do ano passado, VEJA revelou o contéudo de um acordo de delação premiada fechado pela Lava Jato com o empresário Felipe Parente, responsável por entregar propinas da Transpetro destinadas a Renan Calheiros e a outros políticos da cúpula do PMDB.

Em junho de 2007, VEJA também revelou que o advogado Bruno Mendes, alvo da ação desta sexta, era o responsável por entregar sacolas de dinheiro destinadas à jornalista Mônica Veloso, com quem o senador Renan Calheiros teve uma filha. Os recursos eram provenientes da empreiteira Mendes Júnior.


Arquivado em:Brasil, Política

IRPF: Como desempregado declara a ocupação? Tire suas dúvidas

Posted: 28 Apr 2017 08:29 AM PDT

O prazo para entregar a declaração do Imposto de Renda vence às 23h59 desta sexta-feira. A Receita Federal recebeu 25,3 milhões de declarações recebeu até as 10h de hoje. A expectativa é de que 28,3 milhões de contribuintes entreguem o documento.

Leitores de VEJA enviaram suas dúvidas sobre o preenchimento da declaração.  As perguntas foram respondidas por consultores Sescon-SP (Sindicato das Empresas de Serviços Contábeis). Veja algumas perguntas enviadas e as respectivas respostas:

Estando desempregado, como devo preencher os campos natureza da ocupação e ocupação principal? 2) Recebi a recisão contratual da empresa e preenchi no campo "04 – Indenizações por rescisão de contrato de trabalho, inclusive a título de PDV, e por acidente de trabalho; e FGTS incluindo o CNPJ da empresa como fonte pagadora. Como devo preencher o valor recebido pelo FGTS? 3) Recebi as 5 parcelas do seguro desemprego, porém apenas 2 foram em 2016 e as restantes em 2017. Devo preencher o valor da soma das duas recebidas em 2016? Não guardei os extratos das parcelas, e não me lembro exatamente os valores, onde posso consegui-los? (GR)
Neste caso, utilize a natureza da ocupação "91 – Natureza da ocupação não especificada anteriormente", e a ocupação principal "00 – Outras ocupações não especificadas anteriormente". Os valores de FGTS devem ser declarados na ficha "Rendimentos Isentos e Não tributáveis", no código "04 – Indenizações por rescisão de contrato de trabalho, inclusive a título de PDV, e por acidente de trabalho; e FGTS". Preencha a fonte pagadora com os dados da Caixa Econômica Federal. O CNPJ da instituição é o 00.360.305/0001-04. Devem ser incluídas somente as parcelas recebidas em 2016. As que foram recebidas em 2017, devem ser incluídas na próxima declaração de Imposto de Renda. O extrato do FGTS pode ser consultado no site http://www.fgts.gov.br, realizando cadastro exigido, mediante alguns dados pessoais e senha.

Recebo reembolso da empresa para pagamento da creche. Mas se pagar à vista, no começo do ano, recebo desconto. Assim, o valor efetivamente pago foi menor do que aquele que foi creditado no meu contracheque devido ao desconto, que chegou a cerca de 1.200  reais no ano. Como lançar o valor do auxílio, o valor efetivamente pago e o desconto recebido? (EFS)
Os valores recebidos como auxílio-creche devem ser declarados na ficha "Rendimentos Isentos e Não Tributáveis", código "26 – Outros". O valor efetivamente pago, já aplicado o desconto recebido, deve ser lançado na ficha "Pagamentos Efetuados", código "01 – Instrução no Brasil", no campo "Valor pago". E o valor do reembolso deve ser lançado no campo "Parcela não dedutível/valor reembolsado", ao lado. Importante ressaltar que o valor recebido como auxílio creche somente será isento se limitado ao valor da despesa com a creche. Se o valor de reembolso foi superior ao gasto com a creche durante o ano, a parcela excedente ao que foi efetivamente pago deve ser declarada como "Rendimentos tributáveis recebidos de pessoa jurídica", juntamente com o salário e será tributada.

Vendi uma empresa em 2016 recebendo valores da venda das ações ao longo do ano e assinando a homologação – via alteração do contrato social – apenas ao término dos pagamentos, em janeiro de 2017. Como declarar? (RK)
Neste caso, os valores recebidos até o limite do valor das ações, serão isentos.  Na ficha Bens e Direitos, aonde estava lançado as ações no ano anterior, inclua no campo "Discriminação", dados da operação de venda, como comprador, valor pago pelas ações e etc. No Campo "situação em 31/12/2016" coloque o valor R$ 0,00. Caso tenha havido ganho de capital nas ações, haverá incidência de IR sobre o ganho.

Os meus pais possuem imóveis em comum, locados a pessoas físicas, no entanto, o contrato de aluguel de cada imóvel, apresenta somente o nome de um deles, ou seja, existe contrato com o locador sendo o marido e contrato com o locador sendo a esposa. Independentemente do locador constante no contrato de aluguel, posso lançar 50% do rendimento para cada cônjuge?  Ou, pelo fato do contrato de aluguel não mencionar os nomes dos dois, deverá ser informado em cada declaração, o rendimento proporcional, de conformidade com o locador mencionado no contrato? (RF)
A declaração neste caso deve seguir o que está prevista no contrato, sob pena de haver divergência entre a declaração do LOCATÁRIO e do LOCADOR, e consequente fiscalização.

Em 2013 comprei um apto em leilão, que se encontrava ocupado e iniciei um processo de Imissão de Posse, onde o ex-proprietário e morador entrou com um Embargo à Arrematação. Em 2014, o juiz proferiu uma decisão de que o embargante (Pessoa Física) deveria pagar um valor por Litigância de má-fé aos Embargados. Em 2016 no dia 20/06 recebi o valor de R$ 15.635,15, já descontado o valor de R$ 1.000,00 retidos pelos advogados (conforme contrato). Não foi feita pelo Banco do Brasil retenção de IR na fonte. Gostaria de saber como e onde declaro esse valor recebido e o pago aos advogados no IR 2017? Esse pagamento é isento de tributação? Se não, deveria ter sido pago algum Darf no mês subsequente ao recebimento? Se sim, qual código? (RF)
Se todo os valores informados foram recebidos como indenização por litigância de má fé da parte contrária, não incidirá imposto de renda, e o valor deve ser declarado na ficha "Rendimentos Isentos e Não Tributáveis", código "26 – Outros", já descontado o valor pago ao advogado, como informado na própria pergunta. O valor pago ao advogado, deve ser informado na ficha "Pagamentos Efetuados", código "60 – Advogados (honorários relativos a ações judiciais, exceto trabalhistas)."

Meu filho de 9 anos recebe uma pensão mensal no valor de 1.300. Sabendo que posso declará-lo como meu dependente e incluir o valor recebido de pensão na aba “Rendimentos recebidos de pessoa física/ exterior”. Minha dúvida é: posso deixá-lo de incluir como meu dependente e consequente não ter as deduções e não fazer a declaração dele, uma vez que o valor recebido por ele cai na faixa de isenção? (SC)
Pode. A declaração como dependente é opcional. Se seu filho não ultrapassou o limite de isenção e não está obrigado por outro motivo a entregar a declaração de Imposto de Renda, não é necessário fazer a declaração.

Vendi um imóvel em Miami e foi descontado o Lucro Imobiliário em minha declaração de Renda nos Estados Unidos. Como houve uma diferença de valores entre compra e venda, pergunto se também no Brasil será cobrado o Lucro Imobiliário e em caso positivo quais os descontos podem ser abatidos dessa diferença (compra e venda) já que tive despesas como comissão de vendas etc. (JP)
Se houve diferença entre o valor declarado do bem e o valor da venda, deverá ser apurado o ganho de capital no Brasil. Podem ser abatidos os custos necessários para a venda do imóvel, como por exemplo, comissões.


Arquivado em:Economia

Empresário, marido de Ana Hickmann, se inflama contra greve geral

Posted: 28 Apr 2017 08:21 AM PDT

Alexandre Correa, marido da apresentadora Ana Hickmann, não ficou nada contente com a greve geral desta sexta-feira. O empresário fez uma série de postagens em seu perfil no Instagram, todas na função “story” (em que as publicações são apagadas em 24h), com críticas virulentas aos grevistas. “Manifestantes cornos. Eu tenho prejuízo”, disse em um dos vídeos.

A explosão de Correa teve início na noite de quinta-feira, quando, segundo ele, teve que trabalhar até tarde por causa da greve. “Eu, que não tenho nada com o pirulito… tome! As pessoas precisam entender que um país parado em uma sexta-feira inteira é prejuízo. Isso é baderna, é coisa de gente vermelha. Quem tá incitando a fazer greve tá pensando no seu bolso, que ganha fazendo greve”, diz no vídeo.

O empresário retomou os ataques aos grevistas na manhã desta sexta-feira, em vídeo que mostra que a sua empregada doméstica dormiu em sua casa para “burlar a manifestação”, como o próprio diz. De post em post, o marido de Ana Hickmann foi subindo o tom. O empresário, que comercializa produtos com o nome da esposa, mostrou como as manifestações começaram a atrapalhar seu dia ao impedi-lo de ir até a academia, fechada “por conta dos manifestantes cornos”.

Alexandre Correa reclama de manifestações e greve geral

Alexandre Correa reclama de manifestações e greve geral (Reprodução/Reprodução)

 

Depois, Alexandre Correa mostrou o estoque da loja e reclamou de ter que manter o estabelecimento fechado, em um vídeo em que solta palavrão e brinda o seguidor com seu dedo do meio. “Tem muita gente que ficou ofendida porque chamei manifestante de corno. Manifestante não é corno, é filho da p***. Por que não vai fazer manifestação no dia 1º de maio? Olha aqui, a empresa inteira parada.”

 

Alexandre Correa reclama de manifestações e greve geral

Alexandre Correa reclama de manifestações e greve geral (Reprodução/Reprodução)

 

 


Arquivado em:Entretenimento

Paulista: Corinthians fatura o triplo de Ponte em cotas de TV

Posted: 28 Apr 2017 08:16 AM PDT

A diretoria da Ponte Preta afirma que um dos maiores motivos da desigualdade entre os clubes brasileiros é a diferença na distribuição das cotas de TV. Os grandes times recebem mais que os outros pela transmissão das partidas. Na final do Campeonato Paulista, por exemplo, o Corinthians vai ganhar 17 milhões de reais enquanto o clube de Campinas tem direito a 5 milhões de reais.

“As cotas precisam ser mais igualitárias”, diz o vice-presidente da Ponte, Giovanni Dimarzio. “Com uma cota maior, os clubes poderiam investir mais nas categorias de base e revelar jogadores.” Do time que disputa o título estadual, sete jogadores passaram pela base: Matheus Jesus, Ivan, Emerson, Ravanelli, Yuri, Jeferson e Reynaldo.

(Com Estadão Conteúdo)


Arquivado em:Esporte, Placar

Figurinista rejeita ação contra Mayer e polícia encerra o caso

Posted: 28 Apr 2017 07:43 AM PDT

Susllem Tonani, a figurinista vítima de assédio sexual pelo galã José Mayer nos estúdios da Rede Globo, rejeitou levar o caso à Justiça. Su Tonani, como é chamada no meio televisivo, ficou conhecida depois de publicar uma denúncia contra o ator em um blog, no final de março. Mayer a princípio negou ter agido mal, mas depois, em uma carta aberta, fez um mea-culpa atribuindo suas atitudes à cultura de sua geração. O ator tem 67 anos. Apesar da carta de Mayer e da decisão da Globo de afastá-lo temporariamente das novelas, a figurinista poderia prestar queixa em uma delegacia e dar início a um processo criminal, ao fim do qual Mayer poderia ser condenado a até 2 anos de prisão.

Nesta semana, contudo, Su Tonani decidiu dar um ponto final à história. “Em 26 de abril, Susllem Meneguzzi Tonani compareceu à Defensoria Pública e declarou não desejar representar criminalmente contra o ator, ficando assim encerrado o procedimento”, diz nota enviada pela Polícia Civil do Rio de Janeiro a VEJA.

Como explicou a VEJA o delegado Rodolfo Waldeck, responsável pelo caso, inquéritos sobre assédio e abuso só correm à revelia da vítima quando ela é menor de 14 anos.

Afastado da TV, o ator está recolhido com a família. Em entrevista a um jornal carioca, sua mulher, a atriz e diretora Vera Fajardo, saiu em seu apoio, dizendo que o casal está “mais junto do que nunca”. Sua filha, a também atriz Julia Fajardo, recentemente apagou seu perfil no Instagram, onde recebia diversos comentários críticos ao pai.

 

 

 

 


Arquivado em:Entretenimento